terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

FILMES SOBRE O PROBLEMA DO DETERMINISMO E DA LIBERDADE 3 - PERSEGUIDO PELO PASSADO (CARLITO'S WAY)



FILME 3
PERSEGUIDO PELO PASSADO – CARLITO´S WAY




Realização: Brian De Palma
Ano: 1993
Género: Thriller, Drama
País: EUA
Idade: M/16
Duração: 138 min
SINOPSE
Carlito Brigante sai da prisão após cumprir somente cinco anos de uma pena de 30 anos. Fora acusado de extorsão e tráficos de drogas. A hábil manobra que possibilita a sua libertação é um tecnicismo legal astuciosamente congeminado pelo seu advogado David Kleinfeld que soube explorar as práticas ilegais e os vícios de forma do processo instaurado pelo procurador Norwalk. O advogado de Carlito é uma personagem obscura, viciada em cocaína, cuja dedicação aos assuntos da máfia relacionada com a droga acabou por o introduzir no negócio.
Carlito sonha em começar uma nova vida. A sua experiência na prisão serviu – lhe de lição. Pretende conseguir honestamente o dinheiro suficiente para abrir um negócio sério nas Bahamas. Surpreende com isso os seus colegas de maus costumes. Consegue um emprego como gerente de um luxuoso clube nocturno financiado por Kleinfeld que, contudo, é frequentado por gente de reputação muito duvidosa. Aí descobre a sua antiga namorada – Gale – agora uma stripper. É com ela que deseja ir para as Bahamas e ter a vida de um homem comum, fundando uma família. Mas Carlito não é um homem comum. Tem um passado famoso. É invejado pelos jovens candidatos a donos do negócio da droga que, ansiosos por construírem uma reputação, o provocam constantemente. Apesar disso, tudo parece correr bem até que o seu advogado o envolve num conflito com um grupo mafioso e tem de matar o cabecilha desse grupo. Carlito, que deve a liberdade e um emprego a Kleinfeld decide, com enorme relutância, ajudá – lo. A partir daí começa a sua descida ao inferno. Perseguido pelo passado é a história de um homem que pretende redimir – se, endireitar a sua vida. Apesar das suas boas intenções, a lealdade pouco sensata de Carlito e um código de honra antiquado irão envolvê-lo num mundo violento contra forças implacáveis.
DESCRIÇÃO E COMENTÁRIO
Carlito Brigante é um criminoso que libertado muito antes do final da pena de 30 anos em virtude da astúcia do seu advogado e da precipitação do procurador público, decide que vai viver na legalidade. Tenciona acabar os seus dias em paz e sossego. Contudo, imediatamente se dá conta que o seu eficaz trabalho como traficante de heroína lhe deu uma enorme fama e reputação no mundo do crime. Ao sair da cadeia depara – se com essa fama e respeito. É uma lenda entre os traficantes e bandidos locais. “Car-li-to Bri-gan-te!”, é o que constantemente escuta enquanto tenta esquivar – se das propostas para voltar ao submundo. Na verdade, quase ninguém acredita no seu novo ideal de vida: levar uma vida afastada do crime.
Mal acaba de sair do cárcere, é convidado por um primo, estafeta de um mafioso local, para que o acompanhe na entrega de 30.000 dólares. Rapidamente percebe que foi montada uma armadilha para roubar esse dinheiro. Reage violentamente. Com o saber de muitos anos de rua, mata todos os membros do grupo e sai ileso com todo o dinheiro. Este acontecimento reforça a sua decisão de se afastar do mundo do crime. Segue o conselho do seu advogado, David Kleinfeld, e passa a administrar um clube nocturno chamado «El Paraiso», cujo dono, Sasso, um viciado no jogo, tem problemas para saldar as suas dívidas e precisa urgentemente de um sócio com capital. Carlito retira uma parte dos 30.000 dólares que lhe vieram parar às mãos no atentado ao primo. Parece que a partir deste momento a vida de Carlito vai seguir o caminho certo uma vez que a única coisa que realmente quer é poder ir viver nas Bahamas e montar um negócio com um velho amigo que ali vive.
No entanto, o passado de Carlito no mundo das drogas é demasiado notório para que possa livrar – se dele assim tão facilmente. O seu advogado, que desde bem cedo tratava da lavagem do dinheiro de vários mafiosos, encontra – se em apuros: perdeu um milhão de dólares. Pode salvar a pele se salvar o mafioso Tony Taglialucci, encarcerado na prisão flutuante de Riker’s Island. Presumivelmente esse dinheiro serviria para evitar que Tony fosse preso. Julgando que Dave roubou esse dinheiro, Tony faz – lhe um ultimato: ou o liberta da prisão ou está arrumado. Dave Kleinfeld pede ajuda a Carlito para, com o filho de Tony,  tentarem tirar o mafioso da prisão. Com relutância e vendo que Dave está cada vez mais dependente de drogas e de álcool, Carlito acede dizendo que depois nada mais lhe deverá. Apesar de a prisão ser de alta segurança, as coisas correm bem e Tony é libertado. Contudo, num acto completamente irreflectido, Dave mata Tony e o filho. Carlito, apercebendo – se da gravidade do acto exclama: «Acabas de nos matar, Dave! Mataste – nos!». Com uma ingenuidade ao nível da sua insensatez, Dave acredita que os mafiosos nada farão se não encontrarem provas. Atira os corpos à água. Carlito começa a pensar como conseguirá sobreviver à perseguição de que vai ser alvo. Decide que a única coisa a fazer é pegar no dinheiro que tem no clube e fugir com Gale mais cedo do que desejava.
Antes deste infeliz episódio, acontecera uma violenta discussão entre Carlito e Benny Blanco, um aspirante a Big Boss. Sob a influência da cocaína e do álcool, Dave aponta uma arma à cabeça de Benny. Os capangas deste sacam das armas mas são dominados pelos seguranças de Carlito. Ao ser expulso e humilhado, Benny jura vingança. «A próxima vez que te vir és um homem morto!». Irritado, Carlito esmurra – o e atira – o pelas escadas abaixo. Um dos seguranças do clube completa o serviço com uma violenta sova. Talvez rejeitando a violência típica da sua juventude, Carlito impede que matem Benny. Contudo, fica a pensar que ao agredir e atirar Benny pelas escadas abaixo deveria tê – lo morto: fez escusadamente um inimigo e revelou fraqueza. Mais uma vez a vontade de romper com o modo de agir e de ser do passado influencia a opção de Carlito. A verdade é que tem consciência do potencial perigo que Benny representa. Um mafioso não mostra nunca gratidão pela comiseração do seu adversário. Carlito sabe que o juramento de Benny é para levar a sério.
As preocupações aumentam. Ouve um rumor inquietante: o seu amigo Pachanga anda a espiá – lo, tornou – se um informador de Benny Blanco, denunciando tudo o que Carlito faz. Diz – se que Pachanga está sem dinheiro e farto de ver Carlito encher os bolsos. Carlito não acredita e decide confiar em Pachanga.
Entretanto, é chamado ao gabinete do Procurador Geral. Aí este mostra – lhe uma cassete em que Dave Kleinfeld negoceia um acordo com o PG: testemunhará contra Carlito se deixarem de o investigar a si. O Procurador, por sua vez, oferece um acordo a Carlito. Como se tem comportado legalmente e como Kleinfeld, dada as suas ligações ao mundo do crime, é um alvo muito mais importante, propõem – lhe que testemunhe contra Dave. Carlito desconfia que o FBI sabe que ele e Dave estão envolvidos na morte de Tony T. Terá sido Dave a denunciá – lo? Também sabe que Dave foi vítima de um atentado que o atirou para a cama de um hospital. Recusa testemunhar contra Dave – é contra a sua moralidade mafiosa, o código moral aprendido no submundo do crime, denunciar os amigos – e dirige – se ao hospital para apurar a verdade. Aí encontra Dave em muito mau estado. Dave admite que denunciou Carlito. Fingindo ajudá – lo e sabendo que quem o feriu vai tentar completar o serviço, Carlito empresta uma arma a Dave mas sem que este repare retira todas as balas. Ao sair do quarto repara num homem com ar suspeito e vestido de polícia. Trata – se do filho de Tony Taglialucci, Vincent, «Vinnie». Com arma descarregada, Dave não pode defender – se e é morto com um tiro na cabeça.
Carlito vai ao clube buscar o seu dinheiro e prepara – se para fugir. Mas, quando tudo parece correr como planeado, e se prepara para sair, é saudado por um grupo de gangsters italianos com quem no passado se envolveu em negócios. Sabe que desta vez não se trata de negócios. Aquela gente está ali por causa de Tony T. Suspeitam que estava no barco em que Dave matou Tony e o filho. Carlito sabe que querem matá – lo. Vinnie, o filho de Tony, chega e faz um comentário sobre Kleinfeld. Precipitadamente, Carlito responde que não o vê há muito tempo. Os italianos não precisam de mais para saber que Carlito esteve envolvido na morte de Tony Taglialucci.
Apesar disso, antes que tenham a oportunidade de fazer seja o que for, Carlito consegue inventar uma desculpa e foge pelas traseiras. Começa a perseguição. Na estação central, Gale - grávida - espera por Carlito no comboio que os levará para fora da cidade. No momento em que parece que os conseguiu despistar, Carlito é detectado. Um violento tiroteio começa. Carlito consegue liquidar todos os perseguidores excepto Vinnie. Este, gravemente ferido, arrasta – se até ao comboio atrás do porto – riquenho mas é morto por um polícia. Carlito respira aliviado mas quando menos o esperava é abordado por … Benny Blanco. Confirmou – se aquilo em que Carlito se recusou a acreditar: Pachanga trabalhava para Benny e informou – o de todos os seus planos. Usando uma pistola com silenciador, Benny atinge – o três vezes no abdómen, dizendo: «Olá Carlito, lembras – te de mim? Sou o Benny Blanco do Bronx!». Junto de um Carlito moribundo, Pachanga confessa que o traiu. Quando se prepara para sair com Benny da estação, este liquida – o.

ACTIVIDADES SOBRE O FILME
1.Faça um breve resumo do filme a que assistiu.
R: Carlito, um porto-riquenho acabado de sair da prisão tenta por todos os meios afastar-se do mundo do tráfico de drogas em que vivia, mas acaba por se ver constantemente perseguido pelo passado.
2. O que é o livre – arbítrio? Imagine que alguém depois de ver o filme afirma que Carlito agiu livremente. O que significa dizer isto?
R: O livre arbítrio consiste em poder escolher entre várias acções possíveis. Afirmar que Carlito agiu livremente significa dizer que o seu comportamento podia ter sido diferente do que foi, que podia ter evitado fazer o que fez, ou seja, que podia ter evitado o que lhe aconteceu se não tivesse acedido a fazer um favor ao seu advogado, decisão que precipitou a sua morte.
3. O que é o determinismo? Imagine que alguém depois de ver o filme afirma que Carlito agiu determinado. O que significa dizer isto?
R: O determinismo é uma concepção acerca do modo como se processa a relação entre as causas e os efeitos que observamos na natureza. Consiste em defender que todo o acontecimento B tem como causa um acontecimento anterior A, de tal modo que, segundo as leis da natureza, B é uma consequência inevitável de A: sendo as leis da natureza o que são, e tendo-se verificado A, é impossível não ocorrer B. Vejamos este exemplo: tendo largado o giz que segurava nos dedos (acontecimento A) e sendo as leis da natureza o que são (neste caso as leis da gravidade) a queda do giz não podia deixar de acontecer — era inevitável (acontecimento B).
Se interpretarmos o comportamento deterministicamente o comportamento de Carlito (considerando a série de causas e efeitos que conduzem à acção de aceitar ajudar o seu advogado uma sequência inevitável de acontecimentos), teremos de concluir que Carlito não podia não ter feito o que fez. O comportamento de Carlito tinha uma causa, e essa causa fazia parte de uma cadeia causal que ia tão longe quanto os seus genes e o meio ambiente em que a sua personalidade se desenvolveu. Na perspectiva determinista, o comportamento de Carlito fazia parte de uma cadeia de causas que ele não controlava (não escolheu os seus genes nem o meio ambiente) e estes factores determinaram à partida qual iria ser o seu comportamento. Seria esta a origem das suas acções. Se a sua acção tem origem em factores que não lhe deixam outra alternativa podemos concluir que Carlito não tinha livre-arbítrio. Educado segundo a lei da rua e um conceito mafioso de lealdade – não trair nem abandonar os amigos, retribuir um favor seja ele qual for - o protagonista será inevitavelmente numa viagem infernal que culminará na sua queda definitiva.
4. Em que consiste o problema do livre – arbítrio?
R: Muitas pessoas acreditam no livre arbítrio e no determinismo sem ver nisso qualquer problema. Talvez isso aconteça porque julguem que o determinismo se aplica apenas ao domínio da natureza e o livro arbítrio à esfera humana. Como têm domínios de aplicação diferente, pensam essas pessoas, não pode haver conflito. Contudo, o determinismo, a ser verdadeiro, aplica-se também à esfera das decisões e escolhas do homem. Quando compreendem isto, muitas pessoas tendem a pensar que a crença no determinismo é incompatível com a crença no livre arbítrio, ou seja, que estas crenças são mutuamente exclusivas e que, portanto, se uma delas é verdadeira, a outra é falsa e vice-versa.
Vejamos: se, como o determinismo parece implicar, tudo no universo é determinado por causas anteriores, desde a mais pequena partícula de matéria até ao maior e mais complexo corpo, como pode haver livre arbítrio? Se tudo é determinado, mesmo as complexas operações mentais que estão na base das nossas decisões são determinadas por acontecimentos anteriores, muitos dos quais escapam completamente ao nosso domínio e, por consequência, as nossas acções não podem ser livres.
Se, por um lado, o determinismo parece implicar a inexistência de livre arbítrio, por outro, o livre arbítrio parece implicar a falsidade do determinismo. A ideia é a seguinte: o livre arbítrio consiste em poder escolher entre várias acções possíveis. Mas, para podermos escolher entre várias acções possíveis é necessário que não esteja tudo determinado, caso contrário poderíamos apenas fazer a acção que estivéssemos determinados para fazer (não só não haveria várias acções possíveis entre as quais optar, como, mesmo que houvesse, não nos seria possível escolher entre elas). Portanto, para que exista livre arbítrio não pode haver determinismo.
É isto que está na origem do chamado problema do livre arbítrio.





Sem comentários:

Enviar um comentário